Este website utiliza cookies para nos ajudar a prestar-lhe um melhor serviço aquando da sua visita ao nosso site. Ao continuar a utilizar este website, está a permitir a nossa utilização destes cookies. Continuar

Autor

Água mole em pedra dura

'Água mole em pedra dura' é uma composição de Vasco Negreiros para coro infantil a uma voz e piano, explora algumas das maneiras como na música se pode expressar suavidade e aspereza, não só durante a canção propriamente dita, como num prelúdio instrumental - sobre o poder mágico da água - e num interlúdio - ilustrativo da incrível força da pedra.

Selecionar versão Vídeo | Áudio:
Voz e acomp.
Acompanhamento
Melodia e acomp.
Pauta
Análise musical da canção

Análise musical da canção

 
'Água mole em pedra dura' tem a seguinte forma: prelúdio-canção-interlúdio-canção.
 

 

A canção descreve a moleza da água através da sinuosidade de um desenho melódico bordado e do modo frígio; a dureza da pedra é pentatónica e ascendente, culminando num melisma de carácter heróico; o bater é repetitivo, usando só duas notas, sempre com articulação curta; o 'furar' final tem notas mais longas, solenes, acabando numa generosa 3ª picarda. 

 

O prelúdio que inicia a peça, referente à água, cita de forma consequente as relações intervalares e rítmicas da passagem que na canção se refere ao texto 'Água mole', com preferência por sequências descendentes, tanto no início, ao passo de 3ª M, como na transposição deste motivo meio tom abaixo, a cada nova exposição, a partir do compasso 11, até chegar à altura da canção. A harmonização do prelúdio é muito sofisticada e maleável, como o meio líquido sugere.
 
O interlúdio, baseado no motivo que na canção é usado para o texto 'em pedra dura', é constituído por um processo de canon à 8ª com estreitamento da segunda entrada e encurtamento do eco, quando da exposição meio tom acima, com uma estrutura intervalar rígida, sempre paralela, culminando numa fermata em que se destaca o intervalo de trítono. Segue-se um trecho lento, fortissíssimo, explorando as fortes ressonâncias que os agregados politonais escolhidos causam no piano acústico, que termina num pianíssimo inesperado e misterioso, seguindo-se um desenho descendente de intervalos alternados, sempre com o pedal direito abaixado, numa tremenda bagunça intravulcânica, até chegar, limpando tudo, à dominante (com 5ª e 11ª aumentadas) que prepara o retorno à canção. 
 

 

Nota: Análise musical pelo autor.

 

 

Ficha da canção
Download
Pauta
Letra

Água mole em pedra dura

 

Água mole em pedra dura

tanto bate até que fura

TAGS
água, popular, provérbio, Vasco Negreiros
A Minha Lista