Este website utiliza cookies para nos ajudar a prestar-lhe um melhor serviço aquando da sua visita ao nosso site. Ao continuar a utilizar este website, está a permitir a nossa utilização destes cookies. Proceed

Traditionals

Ó Rosinha do meio

Ó Rosinha do meio é uma canção tradicional portuguesa de caráter regional cantada na região do Minho (Trás-os-Montes e Alto Douro) com uma temática relacionada com a atividade económica rural (ambiente campesino). Região na qual sucessivas gerações residentes sempre viveram da agricultura e da pastorícia estando, no presente caso, associada à cultura dos cereais (centeio), que vai desde a sementeira à colheita. Ainda no mesmo âmbito, a canção retrata uma temática relacionada com as segadas do centeio, um momento de muito trabalho em que os trabalhadores trabalhavam de sol a sol para ganharem a jeira. Para enganarem o corpo e entreterem a mente, homens e mulheres, cantavam e riam-se para tornar o trabalho menos árduo, estando aqui presente a temática do namoro e amor centrado numa personagem chamada Rosinha.

Select version Video | Audio:
Voz e acomp.
Acompanhamento
Melodia e acomp.
Pauta
Análise musical da canção

 

Características melódicas

 

A melodia está na tonalidade de Mi b M e tem um âmbito de 8ª Perfeita [Si b 2 – Si b 3].

É constituída por intervalos melódicos de 2ª (m e M), 3ª (m e M), 4ª P, 5ª P (uma, na 2ª parte) e 6ª m (uma, na 1ª parte)

Tem linhas melódicas similares nos antecedentes e consequentes de cada frase.

 

Características ritmicas

 

A melodia está escrita no compasso 3/8 que, sentido à colcheia, é ternário de tempos de divisão binária.

As indicações metronómicas de colcheia=130 (na 1ª parte) e colcheia=220 na 2ª parte, permitem sentir “a 1”, caso em que o compasso passa a ser unitário, de tempos de divisão ternária.

O ritmo é silábico e quase exclusivamente escrito em semínimas e colcheias. Todos os antecedentes e consequentes têm linhas rítmicas semelhantes ou idênticas e todos têm entradas em anacruse.

O andamento é rápido, se sentido à colcheia (compasso ternário) ou moderado, se sentido à semínima com ponto (compasso unitário).

 

Forma

 

Forma binária (AB).

A melodia divide-se em duas partes que se repetem (AABB), sendo a parte A constituída por (aa’) e a parte B por (bb’).

O conjunto AABB é cantado duas vezes, já que a canção tem duas estrofes.

 

Arranjo/Instrumentação

 

O arranjo segue o plano formal seguinte: Introd. AABB AABB Coda.

A instrumentação inclui Piano (melodia), uma secção de sopros de metal (Trompetes, Trombones, Trompas), Contrabaixo e Bateria (Jazz "brush").

O percurso harmónico na introdução (em estilo blue) começa com a linha do baixo com as notas do primeiro tetracorde da tonalidade, iniciando o percurso harmónico no IV grau seguido pelo I grau na primeira inversão e por aproximação cromática ao ii grau finalizando na tónica (IV-I6-ii-I).

O arranjo da canção ao longo das duas estrofes é caracterizado por um percurso harmónico simples na parte A (I-ii-V-I) e na parte B (I-ii-V-iii-vi-ii-V-I). A coda tem um improviso ao piano que segue os percursos harmónicos de A e B, sem repetições. O arranjo tem um caráter jazzístico, em tempo de valsa, em que as características principais do arranjo são a entrada sucessiva de instrumentos, tornando a textura mais densa, e o contraste de andamento e ritmo (por diminuição) entre 1º e o 2º versos.

Song pdf
Download
Score
Lyrics

Ó Rosinha do meio

 

Ó Rosinha, ó Rosinha do meio,

Vem daí comigo malhar o centeio.

O centeio, o centeio, a cevada,

Ó Rosinha minha namorada.

 

Ó Rosinha, ó Rosinha trigueira,

És a mais bonita garota da eira.

Lá na eira, malhando a cevada,

Ó Rosinha ficas mais corada.

TAGS
amor centeio cereais agricultura
A Minha Lista