Este website utiliza cookies para nos ajudar a prestar-lhe um melhor serviço aquando da sua visita ao nosso site. Ao continuar a utilizar este website, está a permitir a nossa utilização destes cookies. Proceed

Early music

Não tragais borzeguis pretos

Vilancete de autor anónimo renascentista, escrito para três vozes, compilado num dos mais volumosos cancioneiros poético-musicais portugueses (Cancioneiro de Paris). A melodia é construída sobre um célebre baixo ostinato, a Folia, que serviu de base a esta e a muitas outras peças musicais. O texto deste vilancete, que se refere à proibição de uso de um certo tipo de calçado (borzeguins), poderá estar relacionado com os códigos de vestuário regulamentados por legislação (Pragmática) durante o reinado de D. Sebastião (1554-1578).

 


 

Dança

 

Criar uma coreografia mimada ou dançada para a canção, interligando a música cantada com movimento/dança. (Reforçar a marcação do 1.º tempo de cada compasso com percussão corporal pode ajudar a interiorizar a alternância dos compassos.)

 

Expressão Dramática

 

Tendo por base a temática da canção (e adaptando-a ou não à época a que a mesma se reporta), criar ou improvisar um pequeno diálogo, definir personagens, espaço cénico e adereços e levar a cabo um momento de representação que incorpore a interpretação da canção ou a sua audição (versão instrumental). Para apoiar e desenvolver estas ideias aconselha-se a consulta deste site.

 

Língua Portuguesa

 

Explorar uma transformação do texto da canção introduzindo, por exemplo, alterações ao nível de vocabulário e formas verbais de modo a torná-lo mais atual. Aproveitar algumas palavras do poema para discutir as transformações que uma língua pode sofrer, nomeadamente ao nível da sua grafia.

 

Estudo do Meio/ História

 

Pesquisar e dar a conhecer a história do vestuário e do calçado, com especial enfoque na época do renascimento, de que data esta canção.

Song pdf
Download
Score
Lyrics

Não tragais borzeguis pretos

 

Não tragais, não tragais borzeguis pretos

Que na corte são defesos

Ora com borzeguis pretos

 

Não tragais, não tragais o que defeso

Porque quem trae o vedado

 

Anda sempre, anda sempre aventurado

A ser vexado e preso

 

Verem-vos, verem-vos andar aceso

Ora en cuydados secretos

Ora com borzeguis pretos

TAGS
Música Antiga, cor, vestuário, calçado, Renascimento
A Minha Lista